O Yacht Club de Ilhabela (YCI) e a comissão organizadora da 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela intensificaram as práticas para preservação ambiental durante as regatas da edição 2019 do evento, que ocorre de 13 a 20 de julho, em Ilhabela (SP).

No Dia Internacional do Meio Ambiente, comemorado nesta quarta-feira (5), a Semana Internacional de Vela de Ilhabela reafirmou seu objetivo de realizar uma competição com impacto zero. Entre as medidas tomadas, está a decisão de não imprimir mais avisos de regata e os resultados. Todos os comunicados serão digitais!

Outra mudança definida na política do impacto zero é a não utilização dos canudos de plástico e produtos descartáveis, como os copos. Também estão previstas expedições de observação de baleias e golfinhos, para reforçar a conscientização das pessoas sobre a preservação da vida marinha.

”A vela também contribui para a limpeza dos oceanos por não usar combustível em suas provas. A preservação vai além de uma data comemorativa e está na nossa programação diária!”, disse Júlio Cardoso, diretor de meio ambiente do YCI e da Semana Internacional de Vela de Ilhabela.

Projeto Marina Viva

O YCI desde 2014 tem o Projeto Marina Viva inicialmente parceria com o Centro de Biologia Marinha (Cebimar) da USP e agora mais ativamente com a Universidade Federal do ABC para pesquisas cientificas e monitoramento da fauna na área da marina do clube.

”Esse projeto já identificou as espécies existentes de fauna incrustada, inclusive identificando espécies muito pouco conhecidas que agora estão sendo estudadas. Também a fauna ictiologica (estudo dos peixes) na nossa marina está sendo avaliada, além da abundância e biodiversidade de peixes que vivem por lá”, disse o ambientalista Júlio Cardoso.

”Um subproduto deste projeto é que uma das substancias produzidas por uma espécie de incrustado na marina foi isolada e está sendo testada com boas possibilidades de ser usada para um novo tratamento da Leishmaniose”.